"COVILHÃ, CIDADE FÁBRICA, CIDADE GRANJA"

Setembro 27 2008

A Covilhã - povoação - situa-se na encosta da Serra da Estrela, voltada para nascente, rodeada por duas ribeiras, a Degoldra e a Carpinteira, tendo a seus pés o rio Zêzere e toda a Cova da Beira.

Esta localização faz com que os habitantes da Covilhã sejam, por um lado, homens e mulheres da montanha, tendo por matriz a Serra da Estrela o que lhes transmite coragem, espírito de luta e perseverança; por outro, a baixa ou seja a extensa Cova da Beira que se prolonga até Espanha, que imprime confiança, autonomia e determinação.

Inicialmente, os habitantes ocupavam a baixa junto ao rio onde as úberes terras os alimentavam. Com o andar dos tempos, forças de fora obrigaram-nos a fixarem-se numa altitude aproximada dos 800 metros, numa encosta íngreme.

Importantes "achados" mostram que os primeiros habitantes não foram os Romanos. A navegabilidade do Zêzere, que faz parte da bacia hidrográfica do Tejo, trouxe gentes das mais variadas partes que vinham comerciar.

A existência de inúmeros castros, verdadeiras sentinelas e postos de defesa, mostra que por ali passaram vários povos da pré-história que se foram instalando devido às boas condições de subsistência.

Os Romanos, após as lutas com os Lusitanos, acomodaram-se na região, como se pode verificar ao percorrer as margens do Zêzere, onde os exemplos de terra sigillata hispanica (tritium) se encontram a cada passo.

Escavações, em curso, apontam para a existência de uma importante colónia - povoação romana - que ultrapassa a simples passagem de expedições militares. As vias romanas que se encontram por toda a parte e até na própria Serra, viradas para nascente, para evitar o gelo, são outra demonstração clara da sua presença.

 
 
 
A COVILHÃ NA IDADE MÉDIA
 
A Covilhã tornou-se, desde a Antiguidade, num ponto de cruzamento de estradas e caminhos. Foi conquistada e reconquistada várias vezes, chegando os mouros a destruí-la quase por completo.
 
Estes acontecimentos levaram a que as gentes da Covilhã criassem o seu próprio município, segundo Alexandre Herculano, para se poderem organizar e defender.
 
A Carta de Foral à Covilhã, concedida por D. Sancho I, em Setembro de 1186, vem confirmar a sua importância como posto fronteiriço.
 
Os limites do alfoz (concelho), definidos pelo Foral, incluíam Castelo Branco e iam até ao Tejo, Portas de Ródão. É significativo.
 
Até ao final do reinado de D. Sancho II, a vila da Covilhã viveu o espírito de Reconquista, isto é, de luta contra os mouros. Foi capital do reino durante a Reconquista. Por várias vezes, o rei se instalou aqui com a corte.
 
Terminada que foi a Reconquista ou seja feita a paz com os mouros, as gentes da Covilhã passaram a organizar-se economicamente. Havia que ir além da agricultura de subsistência. O Rei D. Afonso III vem ajudar ao instituir uma feira anual com a duração de oito dias. A feira celebrava-se em Agosto, depois da festa de Santa Maria. Também D. João I concede uma feira franqueada anual a realizar-se pelo São Tiago e que se tem mantido, com altos e baixos, até aos dias de hoje.
 
A indústria dos lanifícios, entretanto, ia começando a tomar forma. Há que ter em conta que, por aqui, se deslocavam, vindos de Espanha, almocreves que levavam lãs para Tomar, seguindo uma via romana que passava por Paúl, Casegas, Sobral de São Miguel... Era conhecida como a Estrada da Lã.
 
A Carta de Foral aponta para muitas indústrias artesanais, incluindo a dos lanifícios e abria a porta a todos os que desejassem vir instalar-se na região.
 
Uma burguesia, cada vez mais forte, fomentava o progresso e tornava-a apetecida pelas suas riquezas. No termo da Covilhã, na Idade Média, incluíam-se mais de 300 lugares.
 
Os judeus eram já um núcleo importante que chegou a ter influência na corte.
 
A arte e a cultura está bastante representada, caracterizando esta época. A título de exemplo cita-se a capela de São Martinho, autêntica jóia de estilo românico.
 
 
COVILHÃ NO RENASCIMENTO
 
A Covilhã era uma vila em plena expansão populacional quando surge o Renascimento. O sector económico tinha particular relevo na agricultura, pastorícia, fruticultura e floresta. O comércio e a indústria, embora artesanal, especialmente os lanifícios, estavam em franco progresso. Gil Vicente cita "os muitos panos finos".
 
Os judeus dominavam o comércio e a indústria. Eram os detentores do capital. A Covilhã e sua região, como transfronteiriças, eram um bom abrigo.
 
As ruas que vão desaguar na Praça do Município, de qualquer um dos pontos cardeais, denotam a importância do comércio e trabalho. As dezenas e dezenas de casas com a porta larga e a porta estreita - uma entrada para a casa e outra, a larga, para a oficina mostram essa importância.
 
O Infante D. Henrique conhecia bem essa realidade, daí o passar a ser "senhor" da Covilhã.
 
A gesta dos Descobrimentos exigia verbas importantes. As gentes da vila e seu concelho colaboraram não apenas através dos impostos, mas também com o potencial humano.
 
A expansão para além-mar iniciou-se com a conquista de Ceuta em 1415. Personalidades da Covilhã como Frei Diogo Alves da Cunha, que se encontra sepultado na Igreja da Conceição, participaram no acontecimento.
A presença de covilhanenses em todo o processo prolonga-se com Pêro da Covilhã (primeiro português a pisar terras de Moçambique e que enviou notícias a D. João II sobre o modo de atingir os locais onde se produziam as especiarias, preparando o Caminho Marítimo para a Índia) João Ramalho, Fernão Penteado e outros.
 
Entre os missionários encontramos o Beato Francisco Álvares, morto a caminho do Brasil; frei Pedro da Covilhã, capelão na expedição de Vasco da Gama para a Índia, o primeiro mártir da Índia; o padre Francisco Cabral, missionário no Japão; padre Gaspar Pais que de Goa partiu para a Abissínia; e muitos outros que levaram, juntamente com a fé, o nome da Covilhã para todas as partes do mundo.
 
Os irmãos Rui e Francisco Faleiro, cosmógrafos, tornaram-se notáveis pelo conhecimento da ciência náutica. Renascentista é Frei Heitor Pinto, um dos primeiros portugueses a defender, publicamente, a identidade portuguesa. A sua obra literária está expressa na obra "Imagem da Vida Cristã". Um verdadeiro clássico.
 
A importância da Covilhã, neste período, explica-se não apenas pelo título "notável" que lhe concedeu o rei D. Sebastião como também pelas obras aqui realizadas e na região pelos reis castelhanos. A Praça do Município foi até há poucos anos, de estilo filipino. Nas ruas circundantes encontram-se vários vestígios desse estilo. No concelho também.
 
Exemplos de estilo manuelino também se encontram na cidade. É o caso de uma janela manuelina da judiaria da Rua das Flores. É o momento de citar o arquitecto Mateus Fernandes, covilhanense, autor do projecto da porta de entrada para as Capelas imperfeitas, no mosteiro da Batalha.
 
 
COVILHÃ NA INDÚSTRIA
 
Joel Serrão sintetiza assim a especial capacidade da vila da Covilhã e sua zona envolvente para a indústria de lanifícios: "Uma cintura de vilas e aldeias animadas pelos lanifícios envolve a Serra da Estrela. Os "panos finos" que se faziam na Covilhã eram afamados no começo do século XVI (Gil Vicente)".
 
Após o ouro do Brasil, Portugal entrou em depressão económica.
 
D. Luís de Menezes, conde da Ericeira, funda a fábrica - escola na Ribeira da Carpinteira. Mandou vir técnicos estrangeiros, sobretudo da Inglaterra (5 estampadores, 4 tecelões, 2 mulheres que fiavam e oficiais de tinturaria). Ainda há ruínas desta empresa. Poucos anos depois, trabalhavam nesta laboriosa cidade 400 oficiais e 17 teares.
 
O Marquês de Pombal ao instalar nesta cidade a Real Fábrica de Panos, junto à Ribeira da Degoldra, vem confirmar as capacidades das gentes da Covilhã e as potencialidades da sua zona envolvente para a indústria."Pombal cria a Superintendência das fábricas de lanifícios que valorizou os centros beirões, em especial na Covilhã e no Fundão. Do estrangeiro manda vir tecedeiros e tintureiros, seguindo o exemplo do Conde da Ericeira, que abriu e desenvolveu fábricas e teares."
 
A marca da importância industrial da Covilhã vê-se no património industrial, único no País, o que indica os passos dados na evolução técnica até aos dias de hoje. Resposta aos que afirmam que a Covilhã não é rica em património construído.
 
A criação da Escola Industrial, por decreto do Ministério das Obras Públicas, publicado em 20 de Dezembro de 1864 é, exemplarmente, o sinal inequívoco da importância da indústria de lanifícios na Covilhã.
 
Poucos anos depois, em 20 de Outubro de 1870, o rei D. Luís eleva a Covilhã à categoria de cidade: "..., é uma das vilas mais importantes do reino pela sua população e riqueza;... fecunda iniciativa dos seus habitantes..." Assim condecora a vila da Covilhã e as suas gentes.
 
Como síntese, há que dizer que a Universidade da Beira Interior - cúpula e corolário deste processo que surgiu antes dos primórdios da nacionalidade - nasceu, tendo como um dos primeiros cursos a licenciatura nos têxteis.
 
 
O MOVIMENTO OPERÁRIO DA COVILHÃ (1890/1907)
 
A classe operária da Covilhã, gerada enquanto tal, no processo - lento e demorado - de industrialização dos lanifícios, irrompeu na cena social da cidade e do concelho a partir da década de 1890.
Com efeito, datam de meados do último decénio de oitocentos não apenas os actos fundadores das organizações autónomas e de classe do operariado covilhanense, mas também as primeiras movimentações grevistas e outras formas de luta através das quais o operariado procurava fazer frente às suas duras condições de existência.
Em todo este processo, sociológico, económico, político e até psicológico, a classe dos tecelões desempenhou um papel preponderante.
 
 
A PRIMEIRA EMPRESA TÊXTIL DA COVILHÃ
 
A Inquisição, cujo primeiro tribunal foi instituído em 1560, no tempos de D. João III, veio provocar o êxodo de muitos cristãos novos e judeus que, em pleno século XVI, haviam dado grande incremento ao comércio, à indústria e ao tráfego marítimo. Com a sua expulsão, além de levarem consigo para fora do reino os seus cabedais, Portugal via-se afectado no seu comércio, na sua indústria e no tráfego com o ultramar. Devido em parte aos judeus, a Holanda tornou-se uma potência marítima, vindo a assenhorar-se de parte do nosso tráfego e a atacar as nossa feitorias do ultramar. A feitoria de S. Jorge da Mina, bastião e orgulho de D.. João II, foi conquistada pelos Holandeses. A debandada de judeus e cristãos novos, continuada no tempo da dominação espanhola, prolongou-se até ao reinado de D. João IV, apesar das advertências do Padre António Vieira, que lhe fazia ver que essa perseguição era duplamente prejudicial ao reino, já pelo facto de eles levarem consigo seus enormes cabedais, já por os colocarem depois ao serviço dos nossos inimigos.
 
Os judeus eram não só homens da indústria, da ciência e do comércio, mas também homens de grande influência, no trafego marítimo e na política internacional. A Covilhã teve por muito tempo a fama de ali actuarem muitos mercadores e assentistes no comércio de panos. Sabe-se que muitos dos judeus, que se dedicavam à indústria têxtil, se foram estabelecer em Bordéus e Antuérpia, cidades que se tornaram grandes centros desta indústria. Curioso notar que foi um judeu covilhanense o criador, na América, da Bolsa de Nova York, da Wall Stret.
 
Para obstar a carência de cereais, procurou-se desenvolver o seu cultivo nas amplas várzeas circundantes da Serra da Estrela. Esta várzea, ontem como hoje, era rica de potencialidades agro-pecuárias. Às margens das ribeiras ergueram-se os engenhos de moinhos, lagares, pisões, tintes e tendas, e lavandarias com águas ideais para o tratamento das lãs. As ribeiras da Carpinteira e Degoldra, tornaram-se centros da indústria manufactureira de panos, e principalmente com o aproveitamento da força hidráulica, que seria a principal fonte de energia da indústria da Covilhã no século XIX.
 
 

 

 
 
A REAL FÁBRICA DE PANOS
 
Os chamados “Inquéritos Pombalinos” foram primeiramente da iniciativa do padre Luís Cardoso, e só depois consentidos e incentivados pelo Marquês de Pombal que, através deles, quis ter ideia do país de que dispunha após a desesperação em que o havia lançado o terramoto de 1755. Outrossim avaliar a estagnação em que se debatiam a agricultura e a indústria. A Covilhã tinha ao tempo a população de 3800 habitantes, e as suas doze freguesias alongavam os seus termos a muitas povoações limítrofes. Uma parte das muralhas e suas torres, e algumas das suas igrejas, encontravam-se em parte arruinadas. A Igreja de S. Salvador, já desaparecida, englobava os moinhos da ribeira da Carpinteira, as quintas de Cantargalo, de Flandres, e de outras que se estendiam às margens do rio Zêzere.
 
À ribeira da Carpinteira, sede de muitas oficinas e tendas de manufacturas de panos, estava, desde os fins do séc. XVII, a Fábrica Real. Na outra ribeira, a Degoldra, existia no lugar chamado Biribau uma grande lavandaria de lãs.
 
Quartel   de   Infantaria   21   -   1904
 
 
 
 
 
 
Dos itinerários culturais europeus salienta-se, pela importância histórica e turística uma rota que abarca tanto o percurso económico da lã como matéria-prima como o percurso turístico do património industrial dos lanifícios. Na Península Ibérica e em Portugal esse percurso passa, na região da Beira Interior, pela cidade da Covilhã, considerada o centro da produção nacional dos tecidos de lã. Desde o século XII até à actualidade são inúmeros os vestígios do património industrial dos lanifícios nesta cidade. As rotas da transumância dos gados que passavam pela Covilhã, em direcção à Serra da Estrela, encontram-se ilustradas no seguinte mapa:
 
 
  
 
"Se os filhos de Adão pecaram os da Covilhã sempre cardaram."
 
 
A Covilhã foi na região da Beira Interior, até aos séculos XVIII/XIX, o centro polarizador de uma produção de tecidos de lã dispersa realizada em regime doméstico e artesanal. Desde o século XVII verifica-se a localização nessa cidade das primeiras manufacturas, processo que foi continuado com a industrialização que conduziu a uma forte concentração fabril, até à actualidade.
 
A partir de 1970 inicia-se um processo que conduziu ao abandono sucessivo de numerosas fábricas e à reconversão industrial da cidade. Os investimentos feitos na indústria não contemplaram a manutenção dos edifícios antigos, concentrando-se, quase exclusivamente, na renovação de equipamentos técnicos ou em novas construções fora das áreas de implantação tradicional, ou seja, as Ribeiras da Degoldra e Carpinteira e o tecido urbano. Estes eram, desde o século XVII até aos anos 60 do século XX, os locais de eleição da ancestral mono-indústria dos lanifícios covilhanenses.
 
Na actualidade, a Covilhã apresenta-se como mais uma das áreas características da desindustrialização europeia. Assim, também nesta cidade, ao assistir-se às transformações que põem em causa os alicerces sócio-económicos do seu passado, se procura salvaguardar-lhe a memória. Um conjunto de acções, que passam pela preservação de sítios de interesse arqueológico-industrial e pela criação de equipamentos de natureza cultural, encontram-se programados uns e concretizados outros com o objectivo de recuperar a memória da indústria de lanifícios e o seu envolvimento na vida da cidade e dos seus habitantes. Nesse sentido, a Universidade da Beira Interior instituiu, na manufactura pombalina da Real Fábrica de Panos, o Museu de Lanifícios. Este é um projecto dinâmico que procura aliar à preservação da memória do trabalho dos lanifícios a revitalização da Covilhã e da região que tem por matriz a Serra da Estrela.

 

 
ENQUADRAMENTO ESPÁCIO - TEMPORAL
 
A Covilhã, encastoada na falda oriental da Serra da Estrela, a montanha de maior altitude de Portugal Continental (2.000 m), localiza-se na Beira Interior, na sub-região da Cova da Beira, uma depressão que, integrando a bacia hidrográfica do Alto Zêzere e ainda pela Serra da Malcata a Leste.
 
A história da Covilhã está indissociavelmente ligada a todo este espaço, rico de diversidades e propício a uma auto-subsistência que era garantida pelas actividades agro-pastoris, pela caça, pela pesca nos rios e ribeiros, pelo abastecimento de lenhas e pela abertura à penetração mercantil. Foram estes condicionalismos naturais que justificaram que, a partir de finais do século XII, os homens se fossem aperfeiçoando na prática dos lanifícios.
 
Efectivamente, a montanha, propiciando ao gado os pastos naturais, foi ponto de encontro dos grandes trajectos da transumância tanto nacional como peninsular. Por tal razão permitiu-se a alguns aglomerados populacionais da sua área, como Manteigas, Seia, Gouveia e Covilhã, a especialização no fabrico dos panos. Esta situação foi facilitada pelo acesso fácil à matéria-prima que alimentou esta indústria: a lã. De igual modo, a energia indispensável ao seu desenvolvimento foi fornecida pelo fácil acesso e utilização da água e das lenhas. Assim, esta região é caracterizada por uma economia agro-pastoril e manufactureira, onde tudo são lãs e panos.
 
Neste contexto a Covilhã foi-se desenvolvendo, até ao século XIX, tendo sido apelidada e conhecida como cidade-granja/cidade-fábrica. A partir de então, por condicionalismos vários, mas sobretudo por acção dos homens, ir-se-à especializar como cidade-fábrica até aos anos oitenta do século XX. Foi a partir desta altura que a Universidade da Beira Interior começando por se instalar no edifício da pombalina Real Fábrica de Panos da Covilhã iniciou a recuperação de alguns dosmais representativos antigos edifícios fabris convertendo-os em instalações universitárias.
 
Subsistem ainda hoje muitos vestígios do passado industrial da Covilhã. Desde o século XII até à actualidade, são numerosas as fontes documentais existentes. De entre as mesmas o destaque vai para os arquivos empresariais de muitas das fábricas da Covilhã. Refira-se ainda a proliferação de catálogos dispersos pelos arquivos das fábricas, de papel timbrado, rótulos e embalagens de produtos, fotografias e gravuras, desenhos e plantas, registos audiovisuais, produtos e amostras, modelos e maquetes das fábricas que, ao longo do tempo, foram sendo construídas, e anúncios empresariais publicados na imprensa.
 
Para além deste conjunto documental salientam-se ainda como muito significativas do processo de industrialização Covilhanense, as numerosas fontes materiais ainda hoje existentes. Pela quantidade e autenticidade de que se revestem são de primordial importância no domínio da arqueologia industrial. Hoje em dia, a Covilhã pode ser classificada como o principal centro histórico dos lanifícios portugueses.
 
 
A ROTA DA LÃ
 
O actual desenvolvimento das práticas e políticas associadas ao turismo cultural tem contribuído para a definição e divulgação de um conjunto variado de itinerários culturais, no âmbito dos quais a Rota da Lã tem vindo a ganhar forma e contornos. Em 1987, o Conselho da Europa lançou um programa sobre itinerários culturais que tinha objectivos de natureza turística, nomeadamente a melhoria da qualidade do ócio dos europeus, convidando-os a percorrer e a explorar os “caminhos reais ou imaginários em que, através da unidade e da diversidade, se forjara a identidade europeia”, como o defende Michel Thomas-Penette, Conselheiro do Programa de Itinerários Culturais do Conselho da Europa (Universitat de Barcelona,1996).
 
Esta é uma questão que tem dependido de um conjunto diversificado de objectivos relacionados com a dinamização do turismo, mas que, cada vez mais, procura restabelecer as continuidades perdidas ao longo do tempo em diversos espaços europeus, visando ainda a valorização dos produtos naturais e do trabalho artesanal. De várias das publicações levadas a efeito, a partir de 1987, sublinhe-se o Guia dos Itinerários Culturais das Regiões da Europa, onde a Região Centro de Portugal aparece caracterizada através, precisamente, de uma entrada intitulada “O Fio da Meada”. Nela valoriza-se a definição de uma Rota da Lã, que se justifica claramente que entronque, a nível do país, na cidade da Covilhã (Fernando Lozano Hernando, Guia dos Itinerários Culturais das Regiões da Europa, 1ª Ed., Barcelona,1992).
 
A importância destas Rotas deriva ainda, como o sublinha Doudou Diène, Conselheiro da UNESCO, de elas serem concebidas como mecanismo de contacto entre povos e civilizações, concluindo que "a história e a cultura de cada povo são o resultado de um duplo processo dinâmico: processo de encontros, de contactos e de influências, mas igualmente processo através do qual estes contactos e influências se traduzem, graças a uma complicada alquimia, na construção de uma identidade específica”. (Espanã y Portugal en las Rutas de la Seda, Publicaciones de la Universitat de Barcelona, Barcelona, 1996).
 
Contudo, numa era caracterizada pela intensificação dos sistemas e práticas de comunicação, as rotas são hoje, sobretudo, os itinerários culturais de “cidadãos do mundo” desenraizados da sua matriz natural e ambiental, em busca todavia, dos fios perdidos de uma identidade que urge preservar. Daí o interesse deste tema e o seu actual aprofundamento por parte das indústrias culturais e de turismo.
 
Todavia, na abordagem ao tema da Rota da Lã, para além destas razões que explicam a sua actualidade, devemos ainda ter presentes várias outras das suas vertentes. O estudo de uma qualquer rota deverá procurar clarificar os percursos económicos tanto da matéria-prima como do produto fabricado, evidenciando ainda, e sobretudo, a abordagem antropológica que gera todo o processo.
 
No que se refere à Rota da Lã, os seus itinerários aparecem-nos profusamente documentados no nosso país e, concretamente, na região da Beira Interior, desde o século XII até à actualidade. Há ainda que ter em conta as complementaridades espaciais e de natureza geográfica que, ao longo dos tempos, se estabeleceram entre os homens que, neste domínio, se especializaram. Trata-se, muitas vezes, de circuitos criados e desenvolvidos através de laços de natureza pessoal ou grupal, de âmbito social e religioso que transcendem as meras relações de natureza económica e que permitem compreender situações pouco comuns. É o caso da Covilhã que podendo considerar-se geograficamente isolada no contexto nacional beneficiou de intensos contactos internacionais que podem considerar-se privilegiados e que terão resultado, provavelmente desde o século XVI, do estreitamento de laços veiculados através das comunidades judaicas e cristãs-novas, não só na esfera penínsular como europeia e até mundial.
 
Deste modo se poderão mais facilmente compreender as facilidades de circulação e a presença frequente de muitos empresários covilhanenses em importantes cidades industriais europeias, desde o século XVIII até à actualidade, não só para comprar maquinaria e colocar a produção como para frequentar escolas superiores de especialização têxtil.
 
 
 
TRAJECTÓRIA DA ROTA DA LÃ
 
A intervenção efectuada nos edifícios que constituíram esta manufactura, desenvolvida por fases e com objectivos diversos, revestiu-se de real significado, não só no domínio da recuperação arquitectónica e da conservação do património edificado, como a nível da própria preservação da memória dos lanifícios na Covilhã e da história da tinturaria portuguesa e europeia do Antigo Regime.
 
Os modelos de intervenção arquitectónica, de conservação arqueológica e de musealização nela experimentados podem avaliar-se já hoje como contributos para a própria afirmação da arqueologia industrial em Portugal. Efectivamente, foi no contexto da recuperação e musealização da Tinturaria da Real Fábrica de Panos que, tendo-se iniciado, se concluiu, provavelmente, um dos primeiros projectos de recuperação do património industrial português, com a inauguração, em 30 de Abril de 1992, do Museu de Lanifícios da Universidade da Beira Interior. Foi igualmente no âmbito desta experiência que se iniciaram, na Covilhã e na região circundante, com carácter sistemático, levantamentos no domínio do património industrial.
 
Deste modo foi possível salvaguardar alguma da memória dos itinerários da produção de panos de lã, tanto a nível regional e nacional como até internacional, conhecer a diversidade e a origem dos produtos tintureiros orgânicos mais utilizados nas tinturarias da Real Fábrica de Panos, assim como os processos de fabrico e de tingimento característicos de uma manufactura de estado do Antigo Regime.
 
Os fios com que se tecem os panos fabricam também a recuperação da memória de um passado com que se procura alicerçar o futuro. É mais uma das virtualidades desta fibra natural que é a lã.
 
 
 

8 Séculos a trabalhar a lã

Um percurso no tempo

 

Da ovelha ao tecido.JPG

 

Séc. XII/XIII – Um trabalho doméstico

Nos primeiros tempos da monarquia já se fabricavam panos de lã em Portugal. As oficinas não eram fábrica mas a mera casa de habitação onde o tecido resultava de um trabalho doméstico. O 1º foral da Covilhã (1186) é um documento comprovativo.

 

Séc. XIV – Afirmação da Serra da Estrela

Portugal importava também os melhores tecidos os quais eram fabricados na Flandres. Os panos de Arras tinham prestígio internacional e, os teares domésticos nacionais já não teciam apenas panos lisos usando-se temas fornecidos pelos pintores.

A produção artesanal nacional encontrava-se baseada na Serra da Estrela e no Alentejo (Covilhã, Estremoz, Portalegre e Beja). O burel (pano tipo hábito de monge grosseiro) era o que mais se fabricava até aparecer o pano de lã meirinha.

 

Séc. XV – A produção diversifica-se

Nestas cidades portuguesas começam a ser fabricadas as baetas, picotes e outros tecidos até aí importados de Castela. Da Flandres importavam-se a sarja e o burel mas também os muito qualificados panos de Arras e as escarlatas (tecidos vermelhos).

 

Séc. XVI – Disseminação junto às rotas da transumância

O trabalho de lã encontra-se agora mais disseminado pelo território especialmente nas regiões de transumância e nas fronteiriças.

Os centros produtores alargavam-se na zona da Serra da Estrela (Covilhã, Gouveia, Seia, Oliveira do Hospital, Trancoso e Pinhel), no Alentejo (Beja, Portalegre, Arronches e Castelo de Vide) e em Santarém (os alambéis).

A produção de tecidos de lã satisfazia parte do consumo de Portugal, Açores e Madeira e os alambéis (tapetes coloridos) de Santarém parte do Norte de África.

 

Séc. XVII – As Primeiras Manufacturas

Por altura da Restauração Portuguesa (1640) a produção de tecidos de lã encontra-se distribuída nacionalmente e mantinha-se como trabalho caseiro e artesanal.

Algum tempo após, o 3º Conde da Ericeira encetar uma política de fomento e renovação do sistema produtivo. É agora a altura das primeiras grandes transformações em Portugal.

A partir de 1679 aparecem as grandes MANUFACTURAS de lã; Covilhã, Estremoz, Manteigas, Melo (Gouveia) e Lisboa são concretizadas, invocando-se que “A produção que daqui iria advir protegeria o país dos artigos importados”.

A evolução e o êxito das manufacturas foram tão grandes que durante dezenas de anos a sua produção supriu o consumo de Portugal e Brasil.

 

Séc. XVIII – Do Tratado de Methuen às Reais Fábricas

 

Os anos de setecentos começam com uma grave crise económica originada pelo famoso tratado de Methuen de 1703. A Inglaterra passava a introduzir livremente os seus lanifícios em Portugal. Depois sucede o mesmo com a Holanda. Acontece a ruína e a decadência de produção portuguesa.

A partir de 1710, por decisão de D. João V, a Covilhã +assa a fabricar nas suas manufacturas todos os fardamentos militares portugueses.

Quatro anos antes existiam 186 produtores (domésticos) desses panos na cidade. Aí existiam também a funcionar 72 teares e na sua limítrofe de Teixoso mais 46. Em Manteigas funcionavam 28 e em Belmonte 18.

Aparecem então as grandes unidades manufactureiras que envolvem grandes processos de modernização.

O grande restabelecimento da indústria de lanifícios deve-se à visão política e económica do Marquês de Pombal.

Num século de profunda evolução técnica e de sistema produtivo, Portugal vê criada em 1764 a Real Fábrica de Panos da Covilhã.

 

O Fomento Industrial de Pombal (1760-1777)

Neste período a política nacional assume a importância estratégica das manufacturas produtivas e com base nelas assentam as grandes medidas de industrialização. O plano parte de acções de espionagem industrial levadas a cabo na Europa com vista a conhecer melhor as inovações técnicas e a organização do trabalho têxtil (lanifícios, algodão e outros sectores).

O objetivo político era o de combater a dependência portuguesa das importações, articular a ligação de produção às colónias e modernizar uma produção atrasada.

O fomento industrial de Pombal baseia-se por isso na realidade pré-industrial (os centros das manufacturas) existentes no país: a fábrica de vidros da Marinha Grande (1769), a Rea Fábrica de Lanifícios de Portalegre (1772), a Fábrica de Chapéus de Pombal (1759), as de tabaco, refinação de açúcar e pólvora (1759), a reforma da Fábrica das Sedas (1757) e a Real Fábrica de Panos da Covilhã (1764).

Na Inglaterra tinha-se iniciado a Revolução Industrial.

 

Séc. XIX (1ª metade) – O Operário, a Indústria, o Proletariado

O trabalho de preparar, fiar e tecer as lãs é ainda manual em Portugal no início do Séc. XIX. Em 1808/ 10 inventam-se em Inglaterra os primeiros maquinismos para a indústria. Os conceitos evoluem para o significado atual: artista, artífice, operário, proletário e indústria.

As grandes unidades manufactureiras lusitanas prosperam até às invasões francesas altura em que o novo Tratado com os ingleses prejudica a indústria portuguesa. A Real Fábrica da Covilhã fecha durante anos até que, por acordo com o Estado, é transferida para privados em 1821.

Em 1837 verifica-se novo incremento da produção de lanifícios. Para além da Covilhã, Gouveia, Manteigas e Trinta (todas na Serra da Estrela), Lisboa, Porto, Amarante e Alenquer assistiram à criação de novas grandes unidades.

Em 1860, Belmonte, Teixoso e Tortosendo (marginando a Covilhã) já possuem 600 fogos cada. Metade da população destes centros vive dos lanifícios da Covilhã. Aqui, 35 unidades industriais empregam 1.850 homens, 680 menores, 760 mulheres e 540 raparigas. Nesse ano a grande massa de operários atinge quase 4.000 trabalhadores.

Cerca de 1850, Portugal já dispunha da máquina a vapor e os grandes centros industriais eram Lisboa, Porto, Covilhã e Portalegre.

No Alentejo e nos lanifícios trabalhavam ainda o Redondo (750 trabalhadores), Reguendos (430), Évora (98) e Estremoz.

 

Séc. XIX 2ª metade – A expansão industrial

Em 1881 o maior número de unidades industriais de lanifícios estava na Covilhã, no distrito da Guarda e em Castanheira de Pêra. O Porto e Lisboa tinham 3 fábricas cada e Alenquer uma.

Das 160 unidades portuguesas, a Covilhã detinha agora 128. A antiga vila da Covilhã, cidade desde 1870, tinha uma população de 12.000 habitantes e mais de metade (6.502) trabalhava nos lanifícios (homens, mulheres e crianças). Havia 859 teares instalados dos quais 57 eram mecânicos.

Gouveia possuía 20, Seia possuía 15, Manteigas e Guarda possuíam 5 e 1, respetivamente.

De 1881 para o fim do século (1896) a indústria de lanifícios passou de 160 unidades (151 fábricas e 9 oficinas) para 234.

O número de trabalhadores manteve-se quase nos 9.000 dos quais 6.500 na Covilhã. A indústria têxtil era em 1896 a maior empregadora (11.732 trabalhadores), seguida dos lanifícios (8.895), dos tabacos (4.776), conservas (4.653) e cortiça (4.380).

 

Séc. XX – Um apogeu Produtivo

Em 1916 a indústria têxtil era a mais importante (50.000 operários). A dos lanifícios mantinha-se em segundo lugar (10.861 operários), 210 unidades (103 no Distrito de Castelo Branco, 56 na Guarda, 18 em Leiria e 18 em Lisboa). Das 103 unidades de Castelo Branco, 88 encontravam-se na cidade da Covilhã.

Em 1934 o número de fábricas nacionais já era de 414, trabalhando em lanifícios 14.000 pessoas cabendo à Covilhã 5.600.

Após a II Grande Guerra a indústria de lanifícios atinge um novo apogeu produtivo. Era já um terceiro depois dos verificados no final do séc. XIX e após a I Grande Guerra. A partir de 1970 verificam-se encerramentos e a reestruturação tecnológica provoca uma crise social profunda.

 

Séc. XXI – Prossegue a Revolução Tecnológica

Nestes primeiros anos do séc. XXI a indústria laneira já é reflexo de outra revolução tecnológica. O trabalho foi deixando de ser baseado em mão-de-obra intensiva e é cada vez mais suportado em tecnologia intensiva. Esta alteração que permitiu produzir mais do que nunca, vai também sendo sustentada num menor número de unidades de lanifícios (e de trabalhadores) mas com enorme capacidade de produção. Atualmente saem das fábricas de lanifícios da Serra da Estrela dezenas de milhões de metros de tecido por ano. O escoamento do produto é agora feito mais pela exportação e menos para o mercado interno. Em termos tecnológicos, os teares a jacto de ar comprimido necessitam pouca mão-de-obra e fabricam com muita qualidade. Grandes marcas mundiais de vestuário usam tecidos “made in” Serra da Estrela.

publicado por Paulo Jesus às 17:53

para mim que sou da covilha,foi muito instrutivo visitar o seu blog.Um dos meus filhos tem de fazer um trabalho sobre as suas origens e como no ultimo verao visitámos o museu dos lanifícios,as suas informaçoes tão detalhadas,as fotos antigas,referencias,etc vao ajudar muito.Pela sua motivaçāo,omeu sincero Bem-haja.Julia,Lausanne.31/12/2013
julia mottaz a 31 de Dezembro de 2013 às 11:55

Adorei o seu blog, aprendi muito. Estou a ler "A Lã e a Neve". Nasci no Porto mas moro na Covilhã há 13 anos. Um abraço, do

Jorge Barbosa
Jorge Barbosa a 8 de Março de 2016 às 17:48

mais sobre mim
pesquisar
 
Covilhã Universitária
Cidade Cinco Estrelas
Covilhã Industrial
Covilhã Cidade Neve
Covilhanenses atentos
conter12
Estão por cá ...
Setembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26

28
29
30