"COVILHÃ, CIDADE FÁBRICA, CIDADE GRANJA"

Novembro 27 2009

Em 1958 Portugal contava já com 465 fábricas de lanifícios, sendo o principal centro industrial na zona da Covilhã. A título de exemplo só na cidade da Covilhã, principal polo industrial de lanifícios do pais, em Dezembro de 1972 e no relatório do Grémio dos Industriais de Lanifícios da Covilhã, havia registadas 99 empresas de lanifícios nesta cidade, que empregavam 6.760 operários, so na cidade, A “Ernesto Cruz & Cª”, actual “Pólo das Ciências Sociais e Humanas da UBI” (Universidade da Beira Interior) era uma das maiores fábricas na altura e empregava 810 trabalhadores. Outra das grandes industrias era a “Lanofrabil”, onde trabalhavam 412 pessoas, e a “Empresa Transformadora de Lãs, Lda.”, actual “Pólo I da UBI”, que empregava 451 operários.

 

Publicidade a algumas fábricas de lanifícios da Covilhã na “Gazeta dos Caminhos de Ferro” de Janeiro 1948.

1948-Fabricantes.1.jpg1948-Fabricantes.2.jpg

 

 

Imagens do interior de uma fábrica de lanifícios nos finais dos anos 40 do século XX.

 

 

Cardação.jpg

CARDAÇÃO

 

Fiação de fios cardados.jpg

SELFACTINA - (FIAÇÃO DE FIOS CARDADOS GROSSOS)

 

Tear-de-Maquineta5.jpg

TEAR DE MAQUINETA

 

Penteado.jpg

 PENTEAÇÃO

 

Fiação.jpg

FIAÇÃO

 

Tecelagem.jpg

TECELAGEM 

 

 

A Covilhã chegou a ter mais de duzentas empresas. Hoje tem 10 a 15 empresas de lanifícios. Entre 1989 e 1993, encerraram ou paralisaram no concelho da Covilhã 25 empresas, entre as quais algumas das maiores. A “Empresa Transformadora de Lãs, Lda.”, empregadora, ma altura de 176 trabalhadores, a “Lanofabril”, com 270 trabalhadores e a “Ernesto Cruz & Cª”, com 223 trabalhadores, entre outras de menor dimensão, deixaram sem atividade profissional 1.324 trabalhadores.

O industrial, jornalista e político, José de Bastos Rabaça, nomeado em 1969 para presidir à FNIL, após reforma do Dr. Ubach Chaves, revitalizou a pesada estrutura em que se tinha, entretanto, transformado a FNIL, aliviou a burocracia e democratizou a gestão da Federação. Em 1970, um grupo de covilhanenses, à frente dos quais estava Manuel Mesquita Nunes, então Presidente do “Grémio da Covilhã” e que se destacou como grande industrial nos anos 60 do século XX, lançou as bases para a fundação do “Instituto Politécnico da Covilhã”, que se destinou principalmente a formar técnicos e gestores para a indústria têxtil e que veio a dar origem à “UBI – Universidade da Beira Interior”.

UBI.jpg

UBI1.jpg

 

Com o desmantelamento do sistema corperativo em 1974 foi fundada a “Associação Nacional dos Industriais de Lanifícios”, com sede na Covilhã.

 

225.jpg

-

339.jpg

-

342.jpg

-

361.jpg

-

400.jpg

-

488.jpg

-

Fábricas da Covilhã.jpg

-

629.jpg

-

761.jpg

-

Digitaar0015.jpg

-

Digitalar0012.jpg

-

Digitalizar0006.jpg

-

Fábricas.jpg

-

Digitalizar0007.jpg

-

Digitalizar0008.jpg

-

Digitalizar0012.jpg

-

Digitalizar0013.jpg

-

Digitalizar0014.jpg

-

 

 -

30.jpg

 -

31.jpg

-

Fábricas da Covilhã.jpg

 -

-

-

-

 

 

-

Digitalizar0241.jpg

 

-

618.JPG

-

619.JPG

-

268.jpg

Videos elaborados por José Pereira Santos in
https://www.facebook.com/Mem%C3%B3rias-da-Covilh%C3%A3-267737363560243/videos

 

publicado por Paulo Jesus às 23:35

mais sobre mim
pesquisar
 
Covilhã Universitária
Cidade Cinco Estrelas
Covilhã Industrial
Covilhã Cidade Neve
Covilhanenses atentos
conter12
Estão por cá ...
Novembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
25
26
28

29
30